Tosse convulsa: a vacinação no terceiro trimestre da gravidez protege melhor o bebê

As mulheres que foram vacinadas contra a tosse convulsa no terceiro trimestre da gravidez são mais capazes de dar a seus bebês uma melhor taxa de natalidade.

A coqueluche mata cerca de 300.000 pessoas por ano, principalmente nos países em desenvolvimento, segundo o Institut Pasteur. Muitos países desenvolvidos, como Austrália, França e Estados Unidos, adotaram uma ampla vacinação, o que geralmente é feito na primeira infância. Durante muito tempo, a tosse convulsa foi considerada uma doença infantil.

Por mais de trinta anos, a coqueluche está voltando, principalmente nos Estados Unidos. Isso não é culpa da própria vacina, de acordo com um estudo publicado em abril passado. Os pesquisadores agora estão tentando encontrar o melhor momento para obter melhor proteção. Segundo um novo estudo publicado no Jornal da Associação Médica Americanaser vacinado no terceiro trimestre de gravidez garante o mais alto nível de anticorpos no recém-nascido.

Três vezes mais anticorpos

Para realizar este estudo, pesquisadores dos EUA analisaram um grupo de 626 recém-nascidos. Entre elas, algumas de suas mães receberam a vacina Tdap (que protege contra difteria, tétano e tosse convulsa) no terceiro trimestre da gravidez e outra não se beneficiou. Os bebês cujas mães foram vacinadas tinham uma concentração de anticorpos anti-coqueluche de 47,3 UI / mL no sangue, em comparação com apenas 12,9 UI / mL nos recém-nascidos cujas mães não tiveram não recebeu uma vacina.

Assim, os bebês eram três vezes mais protegidos contra a tosse convulsa! O estudo vai além. Os pesquisadores descobriram que os níveis de anticorpos eram ainda mais altos quando a vacinação era realizada no início do terceiro trimestre, ou seja, entre a vigésima sétima e a trigésima semana.

Coqueluche, uma doença com risco de vida

Generalizar a vacinação no início do terceiro trimestre de gravidez poderia evitar, tanto quanto possível, novos casos de coqueluche. É uma doença respiratória e muito contagiosa. É transmitida por via oral e pode ser fatal em bebês e levar a complicações graves em crianças pequenas (encefalopatia, convulsões epilépticas). Não são apenas os mais jovens que contraem coqueluche. Os adultos estão se tornando mais suscetíveis à doença. Geralmente, é porque eles não foram vacinados no nascimento.