Parkinson: dois componentes do café ajudam a combater doenças

A cafeína associada a outro componente dos grãos de café seria capaz de retardar a degeneração do cérebro, que aparece na doença de Parkinson e na demência corporal de Lewy.

O café faz bem à sua saúde! Novo estudo atesta os efeitos benéficos da bebida no cérebro. A cafeína administrada com outro componente dos grãos de café ajuda a combater a degeneração do cérebro, característica da doença de Parkinson e da demência corporal de Lewy. Os resultados desta pesquisa realizada na Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, foram publicados na revista Anais da Academia Nacional de Ciências.

Uma substância presente no envelope do grão de café

Estudos anteriores já mostraram que a cafeína sozinha tem efeitos benéficos na doença de Parkinson. Desta vez, os pesquisadores americanos estavam interessados ​​nos mil compostos presentes em um grão de café. O ácido graxo derivado do neurotransmissor serotonina chamado EHT, da eicosanoíl-5-hidroxitriptamida, é encontrado na casca do grão. Em ratos, os cientistas descobriram que isso ajuda a proteger o cérebro do acúmulo anormal de proteínas. Este último está associado à doença de Parkinson e à demência corporal de Lewy.

Combine os dois componentes para maior eficiência

Para testar os efeitos dessa molécula, a equipe de pesquisa montou três grupos de camundongos: o primeiro recebeu apenas cafeína, o segundo do EHT e o terceiro uma combinação de ambos. Administrados isoladamente, os componentes não estavam ativos, mas associados um ao outro, tiveram efeitos benéficos no cérebro de roedores. Eles aumentam a atividade de um catalisador que age contra o acúmulo de proteínas nocivas no cérebro.

Tudo está na dosagem

Hoje, os tratamentos para a doença de Parkinson afetam os sintomas da doença, mas não suas causas. Para que esses resultados retardem a progressão da doença, os cientistas deverão primeiro determinar a quantidade necessária para que a combinação dos dois componentes seja eficaz. Maral Mouradian, diretor de pesquisa, diz: "É importante que a quantidade e a proporção apropriadas sejam definidas para impedir que as pessoas tomem overdose de cafeína, pois isso pode ter conseqüências adversas à saúde". A Agência Europeia para a Segurança dos Alimentos recomenda não exceder 4 xícaras de café por dia, a fim de se beneficiar dos efeitos positivos da cafeína na saúde sem pôr em risco a si mesma.