Em busca de células responsáveis ​​por alergias

As alergias ocorrem porque nosso sistema imunológico se defende, convencido de que substâncias inofensivas realmente nos atacam. Em questão, as células produtoras de imunoglobulina E (IgE) cujos estudos mostraram que elas podem ser reguladas ... em camundongos. Resta descobrir onde essas células estão no corpo humano e como agir na produção de IgE.

Pode haver sintomas leves, como corrimento nasal e coceira nos olhos, pode ser uma febre do feno já mais prejudicial, também pode se traduzir em uma inflamação muito agressiva, como a anafilaxia: são alergias, reações desproporcionais do nosso sistema imunológico. Essas reações são causadas pela produção de imunoglobulina E (IgE). Um pesquisador australiano, Pablo Canete, procurou células produtoras de IgE, que certamente encontrarão no final desta faixa o caminho para agir contra alergias, modulando essa produção de IgE.

Concentre-se na área da amígdala

As células que permitem essa modulação já foram observadas ... em camundongos. Pablo Canete, portanto, buscou seu equivalente em humanos, concentrando-se na região das amígdalas. A pesquisa se mostrou mais difícil do que o planejado por Canete. Ele disse à IFLScience: "A célula humana tem um aspecto muito diferente da contraparte do mouse, não possui o regulador genético do mouse que existe no mouse", disse Pablo Canete, que, no entanto, conseguiu descrever um As células T nas amígdalas que suprimem a IgE, trabalho publicado no Journal of Experimental Medicine.

"Se pudermos encontrá-los no sangue, isso facilitará muito nosso trabalho", disse Pablo Canete na IFLScience, "por causa dos obstáculos ao acesso às amostras de amígdalas".

Maneiras de agir que não sejam anti-histamínicos

Sua pesquisa pode encontrar novas maneiras de agir contra alergias, seja para controlá-las ou tratá-las, além dos anti-histamínicos. A trilha seguida é identificar as moléculas produzidas por essas células, mas sem ir tão longe a ponto de suprimir sua capacidade de produzir IgE necessária contra as ameaças reais a nossos organismos.